sexta-feira, 27 de março de 2009

Boca da noite

Boca da noite escura,
órfã que procura afagos.
Exalas perfumes atraentes,
odores desgastados.

Incitas, excitas os sentidos,
satisfeita com a insânia que permites,
E transportas na demência teus sonhos não realizados.

Querias ser luz do dia,
mesmo que por inveja do atropelo das labutas,
Mas és apenas breu.

Boca da noite escura,
devoradora insaciável que interpreta sensações,
tens o tempo de ócio para preenchê-lo com caprichos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário