sexta-feira, 5 de junho de 2009

Zona bluetooth

Hoje fui apresentada a uma dessas modernidades que valem a pena. Bom, pelo menos para mim, que sou da Comunicação, tudo o que é criado pra facilitar a vida é bem-vindo.

Vocês já foram apresentados à tal da Zona Bluetooth? Não? É o seguinte: mediante a compra de um aparelhinho que mais parece um roteador, é possível mandar mensagens para todos os celulares que estiverem num raio de até 100 metros, a partir do local de onde são emitidas as informações - um computador, por exemplo, ou um pen drive que pode ser enfiado na base do tal aparelhinho e transmitir tudo o que estiver armazenado lá, de notícias a fotos.

Fiquei imaginando a aplicabilidade disso no meu trabalho, onde várias áreas precisam alimentar diversos públicos diariamente. Além do mais, o preço, para uma empresa, não é dos mais salgados se a gente avaliar o retorno.

Enquanto eu fazia mentalmente as contas do custo-benefício, um colega disse: “Isso é muito bacana mesmo. Imagina que em São Paulo parece que já tem um barzinho em que as pessoas usam a zona bluetooth para azaração”.

Pronto. Ninguém mais prestou atenção ao trabalho. “Que barato”, disse uma? “Puxa, que coisa diferente!”, exclamou a outra. Conversa vai, conversa fica, as dúvidas me vieram à cabeça.

Como é que o sujeito ou a sujeita fazem para saber que mandou a transmissão? Se todo o mundo dentro da boate está de bluetooth acionado, não vira tudo uma grande zona tecnológica?

Gata, vc é um tesão.
Ass: o cara da pilastra.

Moreno, olha pra mim aqui na porta do banheiro.
Ass: a gata de vestido curto preto.

Cara, faz um tempão que eu não te via.
Ass: o carinha com que vc se mandou daqui três semanas atrás.

Qual cara da pilastra,o baixinho de jeans, ou o marrento de jeans?
Ass: a gata loira de celular vermelho perto do bar.

Colega de vestidinho preto, a gente gosta da mesma fruta.
Ass: o moreno que não está interessado.

Três semanas atrás...numa sexta, ou num sábado?
Ass: o carinha sem memória de três semanas atrás.

Baixinho é a mãe, sua loira falsa!
Ass: o cara da pilastra.

Descartado o uso em boates. Mas nada contra instalar a zona nas festinhas de adolescentes, por exemplo. Ali, afinal, ninguém é de ninguém.

Duro mesmo é se a moda pega noutras bandas...

Os Bope tão subino. Já aplicamo dois. Tá no chão. Gera Doido tá pegado, manda soldado pra levá ele pro doutor. Bota os verme pra correr daí, de onde estiver. Cuidado que tem caveirão subino tamém.
Ass: Cabeção.

Tamo nas base. Dominado.
Ass: Comando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário