quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Entre dourado!



Então, lá se vai mais um, dizem alguns. Outros, possivelmente e felizmente mais sábios, dizem que lá vem mais um.
E entre os que respiram aliviados porque um se vai, e os que suspiram ansiosos porque outro chega, romper-se-á hoje, à meia-noite, 2010!
E serão tantas promessas, tantos sonhos novos, tanta fé na vida, que mesmo os prantos livremente incontidos ou os tristemente contidos não serão capazes de arrancar do novo ano o seu esplendor.
Será dourado o 2010, nos dizem alguns gurus. E dourado não é uma cor que qualquer um suporte usar, ter, ser. Dourado é para gente sem medo. Para gente com vontade de explodir, gritar, brilhar. Portanto, não será um ano para os indecisos, nem para os discretos, nem para os esnobes, nem para os que morrem de medo de abraçar, conversar, sentir, compartilhar.
O dourado 2010 será para os atrevidos, para os sonhadores, para os criativos, para os otimistas. Para os que gostam do palco porque sabem que é no palco que a vida acontece. Sob os dourados holofotes, sob a dourada luz do sol.
Sombras e becos estreitos não fazem parte das pessoas douradas. Os dourados são amplas avenidas, avenidas de possibilidades. São criaturas nem sempre vencedoras pelos padrões vigentes, mas campeões de sensibilidade, emoção, solidariedade, humanidade.
Eu, que eternamente me sinto dourada, me desejo um Ano Novo de muitas lutas. Contra a miséria social e a miséria moral, contra a gordura e a celulite, contras as dívidas que parecem clonar-se, contra os desânimos inerentes a qualquer caminhada, contra a corrupção e a pouca-vergonha institucionalizada. Não importa se a empreitada é pequena ou grande. Sou, como qualquer outra cidadã, uma mistura de certos, errados e mais ou menos.
Pessoas douradas não vencem sempre. Amam sem esperança, levam o fora, choram com a cara enfiada no travesseiro, mordem a boca, tomam porres em homenagem à sua própria solidão. Mas pessoas douradas ganham o tempo todo. Amigos, dias felizes, conquistas, beijos na boca. Porque aceitam as pessoas com o lote de qualidades e defeitos instalado em cada uma delas. Porque acham felicidade no berço do filho, no almoço em família, no filme de domingo à tarde, na lua feiticeira, nas flores distraídas que enfeitam qualquer beira de calçada. Pessoas douradas têm espinhas no rosto, mau-humor matinal, frio na barriga e vergonha de tirar a roupa da primeira vez. São assim, intensamente completas.
Por isso, eu repito e insisto, dourado não é uma cor que qualquer um suporte usar, ter, ser. Precisa querer ser dourado.
Então, quando a festa de fogos de artifícios da meia-noite estiver acontecendo, lembre-se de uma coisa, da coisa mais importante para o dourado 2010: é dentro de você que os fogos precisam estourar.
Entre 2010 com o pé direito, comendo lentilhas ou uvas, fazendo contagem regressiva em frente à televisão ou à beira-mar. Entre sozinho, acompanhado, receoso, calmo ou cheio de euforia.
Mas não se esqueça... Entre dourado!

Um comentário:

  1. Oi Cinthia

    conheci seu blog através dos amigos Chega Junto, e adorei sua colocação sobre a nossa postura diante da vida e em especial em 2010.
    Que todos possamos brilhar neste ano e fazer a diferença na vida daqueles que nos cercam

    Um grande beijo

    Julimar

    ResponderExcluir