terça-feira, 26 de outubro de 2010

A essa dama que se chama Itália

Fecho os olhos, em meio ao Coliseu, para ouvir enfraquecido o rugido dos leões. E sentir que se acalma no tempo a dor dos condenados. Há perdão entranhado nos séculos, e uma paz que liberta os homens da sua sina da morte.
É do cheiro doce do Mediterrâneo que se alimenta esta nova era. Um sabor de vida que brinca no vento de outono, que arrepia em madrugadas geladas, que perfuma as manhãs de primavera.
De uma dama que se chama Itália escuto segredos sussurrados. Falam de alegrias incontidas, de fervor apaixonado, de pecados abençoados.
Essa que se chama Itália é feita de formosa herança. É feita da música dos violinos, da poesia sôfrega dos bardos. Mágicos cinzéis em febril entalhe. Tintas diluídas na arte dos afrescos.
Essa que se chama Itália é feita de hóstia imaculada e de vinho santo, pois que de sagrado também se veste a dama.
Fecho os olhos, mais uma vez.
Piazza di San Pietro. Conspiração dos santos. Súplica da multidão. Voz do bom Pastor.
Mais tarde, entrego o meu respeito ao que se converteu na estrada de Damasco. E meu silêncio à Pietà que aconchega o Senhor Morto.
Revela-me mistérios essa dama de contrastes. Embriaga-me os sentidos com prazeres mundanos e deixa que em minh’alma passeiem astutos diabretes.
É de Fellini a Itália que enxerga a solidão das Noites de Cabíria. De Bertolucci a Itália que se entrega em gozo a um tango último em Paris.
Essa dama que se chama Itália é feita de águas cheias de magia. As águas das fontes que falam de amor, as águas da fé convertida em moedas. As águas do Arno abraçando a Florença de Dante. As águas do Tibre flutuando os murmúrios dos desejos. As águas do Pó penetrando os navigli de Milão.
E essa dama que se chama Itália é ainda feita do pranto das partidas.
Feita de homens que se vão com a morte. Feita de filhos que rompem fronteiras. E da saudade que sopra tão longe.
Moram esses filhos no sangue em minhas veias, na porta mais adiante, nas terras mais ao sul.
Compagni.
Amici.
Fratelli.
Al di lá del mare più profondo, Itália, como ti voglio bene!

2 comentários:

  1. Olivia Maia27/10/10 10:10

    Que lindo! Sempre arrasando, né? Ainda bem que postou. Cheguei de viagem às 22h e perdi o Sarau (snifff!).
    Menina, seus texto cada vez melhores. Um beijo bem especial.

    ResponderExcluir
  2. Eu que sou apaixonada pela dolce terra não seria capaz de fazer texto tão lindo parabéns

    ResponderExcluir