segunda-feira, 8 de abril de 2013

Um dia seremos tudo isso



Um dia faremos silêncio. Seremos pausa. Como as coisas gêmeas colocadas sobre as mesas de centro, sobre as estantes altas em salas nobres e intocadas. Pares perfeitos, banhados pelo sol que escapa pela fresta da persiana elegante. Seremos, para sempre, mudos, inertes. Parelhos e empoeirados como as matrioshkas, os elefantes, os macacos, os candelabros de prata. Teremos esquecido como é amar, esse praticar de infinitos em pequenos gestos. E não saberemos dizer qual foi o instante em que cessaram riso, abraço, murmúrio. Ou o toque das nossas mãos entre as cobertas felpudas, ou os códigos trocados por nossos olhos treinados em acender vontades. Teremos rasgado cartas e escondido fotos amarelecidas no fundo das gavetas de uma cômoda velha e derramado na pia os nossos vidros de perfume prediletos e empurrado goela abaixo a cumplicidade de uma vodca gelada. Seremos choro e choro. O que escorre sem controle. O que molha só a alma.
Um dia seremos tudo isso.

 


5 comentários:

  1. Cinthia Kriemler, dotada de uma alma sensível e perspicaz, nos brinda novamente com um belíssimo e tocante texto. Parabéns, Cinthia! Adorei!

    ResponderExcluir
  2. Texto maravilhoso com criatividade.

    ag

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, António Gomes. Suas fotografias são lindas (visitei seu blog e passei a seguir). *Adoro girassóis.

    ResponderExcluir
  4. Sabe aquele abraço bem gostoso??
    Pois é esse que vim te deixar.
    Aqui deixo meu imenso carinho
    por você.
    Que seja nossa amizade
    a mais infinito que houver.
    Uma Noite linda e abençoado.
    Beijos no coração.
    Carinhos na Alma.
    Evanir.

    ResponderExcluir